Boletins

Um marido segundo o coração de Deus

Amar a esposa é mandamento bíblico


A revolução de costumes que ocorreu durante a década de 1960 redefiniu o papel da mulher na sociedade atual. Ela deixou de ser apenas aquela que devia criar os filhos para se tornar uma colaboradora do mercado de trabalho e competir com o homem em igualdade de condições. Com essa mudança, o papel tradicional do homem como provedor da família foi questionado. À medida que a mulher foi conquistando espaço, o homem moderno passou a sofrer uma crise de identidade. A figura do pai sério, incomunicável, que não tinha tempo para deveres domésticos ou para brincar com os filhos, entrou em extinção.

Então, qual é o papel do homem na família de hoje? Ele não é mais o provedor, pois a mulher tem que trabalhar fora para complementar o orçamento doméstico. Os filhos cobram a atenção dele. Contudo, ele não tem mais um modelo de paternidade para seguir, pois seu pai e os avôs mantinham uma relação diferente da dele. O que significa ser marido e pai nos dias atuais?

Essa crise de identidade levou o homem a não saber mais qual é a própria importância e função dentro da família. Talvez o mundo tenha mudado muito, mas a definição bíblica do papel do marido na família é muito clara. Paulo, quando escreveu aos Efésios (cap. 5:22-31), delineou com clareza o papel do marido cristão para com a esposa:

“As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo. Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido. Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito. Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa, a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do Seu corpo. Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja. Não obstante, vós, cada um de per si também ame a própria esposa como a si mesmo, e a esposa respeite ao marido.”

Nessa passagem, Paulo não diz que a mulher deve amar o marido e que o homem deve se sujeitar à esposa. E por quê? Para a mulher é natural amar, mas para o homem, não. Porém, como o marido poderia amar a esposa de forma que possa cumprir esse mandamento bíblico? Se lermos com atenção o texto, veremos que o apóstolo cita quatro características do amor que o marido deve revelar à esposa.

Ser guia

No versículo 23, o apóstolo afirma que “o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja”. Assim como Cristo é o líder da igreja, o marido e pai é o líder da família. Como tal, deve servir como orientador e guia. O marido não deve renunciar à missão de ser cabeça da família. Quando o filho pergunta se pode ir a tal lugar, o pai não deve responder: “Fale com a sua mãe.” Esse não é o papel dela. Você, como pai, tem a responsabilidade de deixar claro para os filhos o que eles podem e não podem fazer.

Você também foi colocado por Deus como sacerdote do lar, o responsável pela espiritualidade da família. Nas questões devocionais, você não deve se eximir da responsabilidade de conduzir o lar pelos caminhos de Deus. O Senhor espera que o pai assuma o cuidado espiritual da própria casa:

“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras [de amar a Deus] que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” Deuteronômio 6:4-7 [colchetes acrescentados].

A liderança da família está nas mãos do pai. A educadora norte-americana Ellen G. White escreveu isto a respeito:

“O marido e pai é a cabeça da família. A esposa espera dele amor e interesse, bem como auxílio na educação dos filhos, e isso é justo. Os filhos pertencem-lhe, da mesma maneira que a ela, e sua felicidade igualmente o interessa. Os filhos esperam do pai apoio e guia; cumpre-lhe ter justa concepção da vida, e das influências e associações que devem rodear sua família; ele deve ser regido, acima de tudo, pelo amor e temor de Deus, e pelos ensinos de Sua Palavra, a fim de lhe ser possível guiar os pés dos filhos no caminho reto.”[i]

Ele deve ser dedicado à família

Paulo compara o amor de Cristo pela igreja com o amor que o marido deve ter para com a esposa. Ele afirma que Cristo, por amar a igreja, “a Si mesmo Se entregou por ela.” (vers. 25.) É esse espírito de sacrifício que o marido deve demonstrar se quiser amar de fato a esposa. O homem precisa colocar as relações familiares acima das preferências pessoais. Se o homem não está disposto a renunciar a si mesmo, então não está pronto para se casar. Devemos colocar a Deus em primeiro lugar. O segundo posto da vida do marido deve ser ocupado pela esposa, e, logo em seguida, pelos filhos. Depois, vem a igreja e o trabalho. Finalmente, as próprias preferências devem ficar em último lugar (isso, se der tempo!).

Alguns homens, mesmo após se casarem, querem continuar com a mesma rotina dos tempos de solteiro. Quando chegam em casa, não têm disposição para conversar com a esposa ou para brincar com os filhos. Aprofundar relações e criar um ambiente agradável em casa não é fácil. Exige dedicação e esforço por parte do chefe de família. Mas os lucros compensam os esforços. À medida que você constrói um relacionamento gratificante com a família, nenhum dinheiro do mundo ou sucesso profissional pagará isso.

“‘Falta tempo’, diz o pai; ‘não tenho tempo de dedicar-me à instrução de meus filhos; não tenho tempo de dedicar-me a prazeres sociais domésticos.’ Então não devíeis ter tomado sobre vós a responsabilidade de uma família.”[ii]

Ser provedor

Além da dedicação e orientação, o marido deve prover alimento emocional e espiritual à esposa e aos filhos. O apóstolo escreveu que “quem ama a esposa a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja” (cap. 5:28, 29). Ao contrário do que os homens imaginam, não basta trabalhar duro o dia todo, prover as necessidades básicas da família e achar que está provando o seu amor por ela. Para a esposa, isso não basta; é preciso demonstrar de outras formas que você a ama.

Ao contrário do homem, a mulher precisa ser conquistada todos os dias. Por que o homem só dá presentes, faz convites para jantar fora e a leva para passear apenas no período do namoro? Por que são românticos só no começo da relação? Será que imaginam que uma vez casados não há mais necessidade de cultivar e demonstrar o amor que têm pela esposa?

O homem cristão tem o dever de resgatar o romantismo no casamento. Ao fazer isso, deixará a esposa feliz e realizada. Ao contrário do homem, que é levado pelo que vê, a mulher gosta do que ouve. Por isso, diga todos os dias à sua esposa que a ama. Isso pode ser feito de diversas formas. Escreva bilhetes dizendo o quanto ela é importante para você e os coloque na porta da geladeira. Diga-lhe como você é feliz por estar casado com ela. Compre um botão de rosa para ela, mesmo que não seja uma data importante. Ligue do trabalho apenas para falar que está com saudade dela e que ligou apenas para ouvir a sua voz. Com essas pequenas ações, você diz que sempre, diariamente, se lembra dela. Quem sabe não seria uma boa ideia deixar as crianças aos cuidados da sogra ou da sua mãe para poder levar a esposa para um almoço romântico? De vez em quando, fará bem para o seu casamento convidar a esposa para uma atividade a dois. Ao tomar essas atitudes para resgatar o romantismo no casamento, o marido alimenta emocionalmente a esposa e cumpre a vontade de Deus para a sua vida conjugal.

Deixar

A quarta forma de demonstrar amor pela esposa está descrita em Efésios 5:31, que diz: “Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne.” Para cumprir plenamente o mandamento bíblico de amar a esposa, o homem deve deixar pai e mãe. Qual é o sentido de “deixar” nesta passagem?

O marido deve alcançar independência financeira da casa paterna. Apenas quando se alcança uma situação financeira estabilizada é que o casal está apto a formar uma família. Uma das causas principais de dificuldades no casamento são os problemas financeiros mal resolvidos. É constrangedor e impróprio pedir dinheiro aos pais (tanto aos seus quanto aos da esposa) toda vez que enfrentam uma dificuldade financeira. É preciso administrar sabiamente o que se ganha. A família precisa viver dentro da realidade dos rendimentos disponíveis. Numa sociedade consumista como a que se vive, é fácil comprar coisas desnecessárias e acumular dívidas. Todo homem deve lutar para provar o seu amor pela esposa vencendo as dificuldades financeiras.

O marido precisa deixar de lado a dependência emocional da família paterna. Ele agora tem sua própria família e não pode depender da opinião dos pais (e da mãe, em particular) para tomar as decisões que lhe cabem como chefe da casa. Abandone emocionalmente a casa dos pais e assuma a liderança da própria vida e da sua família.

Ao se casar, o homem também precisa deixar a casa dos pais fisicamente. Mesmo que não possa dar o mesmo conforto com que a esposa estava acostumada na casa dos pais dela, ele deve oferecer o seu próprio recanto. O casal precisa desenvolver intimidade, e isso só se consegue com privacidade. Se continuarem morando muito próximos dos pais, pode haver intrometimento inadequado da família, e isso tende a prejudicar o casamento que está se consolidando.

Conclusão

Muito antes de o mundo discutir o papel do homem na relação familiar, a Palavra de Deus apresentava qual deve ser a atitude do cristão no casamento. O homem deve amar a esposa. Deve fazê-la feliz.

Durante cinco anos, um jovem estudante de antropologia viveu entre os índios sioux, nos Estados Unidos. Durante o tempo que passou estudando a cultura, os valores, a língua e os hábitos de vida daquela comunidade, ele desenvolveu profunda amizade com a anciã da tribo. Quando a sua tese foi concluída, ele foi se despedir da amiga. Ela, com tristeza, disse: “Eu vou sentir muito a sua falta, pois eu me amo mais quando estou com você.” E sua esposa, diria o quê?



Referências bibliográficas:

[i] A ciência do bom viver, p. 390.

[ii] Fundamentos da educação cristã, p. 65.