Missão Humanitária - Chapecó

Por: Kevin Gessner

Chapecó, Santa Catarina – com uma população de quase 210.000 pessoas, é carinhosamente chamada por eles de capital do oeste catarinense. Atualmente é a quinta maior do estado. A cidade é bastante organizada e foi totalmente planejada em forma de “xadrez”. Chapecó também é considerada a capital brasileira da agroindústria; ou seja, seus indicadores socioeconômicos e qualidade de vida são razoavelmente bons.
No dia 20 de janeiro de 2017 aconteceu a abertura da missão O Bom Samaritano, porém, não de forma pública. Ao pôr-do-sol, quase 150 voluntários se reuniram para o culto, sendo esses, de várias partes do Brasil e alguns de outros países. Na manhã de sábado todos se reuniram no templo improvisado para ouvir as lições bíblicas; seguido da mensagem de encorajamento e altruísmo do diretor de Assistência Social da União Sul, Pr. Oziel Fernandes.
No domingo, dia 22 de janeiro, iniciou-se oficialmente a missão na Escola Municipal Fedelino Machado dos Santos. Um início extremamente modesto, se comparado à outras grandes missões. Não haviam grandes filas aguardando os portões se abrirem, ou pessoas em grande necessidade de até o mais simples dos atendimentos. Contudo, todos entravam com um grande sorriso e, por incrível que pareça, saiam com um ainda maior.
Na segunda-feira, era aparente o contraste do primeiro e segundo dia. Várias pessoas já aguardavam a chegada dos voluntários. No decorrer do dia fica claro que muito mais pessoas apareceram para receber atendimento. Inclusive, uma atendida no primeiro dia retornou no segundo, porém - agora para trabalhar. O fato de ser atendida com tanto carinho a motivou a fazer o mesmo pelo próximo.
Seguindo a ordem gradativa, o terceiro e último dia foi o mais movimentado. Assim como o dia anterior, já haviam pessoas esperando a abertura. Muitas dessas das quais já tinham sido atendidas, mas agora retornavam com amigos e/ou parentes. Somado pela divulgação de reportagens na televisão o dia se tornou bastante atarefado. Ao fim, houve a contagem de atendimento de cada área.
 
A missão se encerrou oficialmente na entrega de certificados a cada voluntário na terça-feira, dia 24 de janeiro de 2017.
A missão foi uma grande benção em cada área possível, porém, a verdadeira vitória foi a enorme aceitação da Bíblia. Quase 200 famílias pediram cursos bíblicos, batendo o recorde de famílias que requisitaram o estudo, que afinal, é a principal razão de missões humanitárias: não só disponibilizar saúde para o corpo, mas para mente e espírito.

 

Que Deus abençoe cada envolvido nesta missão, desde organizadores às famílias que ali tiveram contato com a palavra de Deus.